Os Nossos Amigos

quarta-feira, novembro 07, 2007

A verdade sobre o sumo de fruta



Os sumos naturais de fruta não são tão saudáveis como se possa pensar. Consumidos em excesso, podem até trazer riscos para a saúde.

A fruta é o terceiro maior grupo da Roda dos Alimentos, a seguir ao grupo dos cereais, seus derivados e tubérculos, e ao grupo das hortícolas. Vinte por cento é o peso que a fruta deveria ter na nossa alimentação diária. As vantagens do seu consumo são sobejamente conhecidas: vitaminas, fibras, entre outros.
Na busca por uma alimentação saudável, troca-se, muitas vezes, a fruta e a água pelos sumos. Mata-se a sede e aproveitam-se os benefícios da fruta. Nada mais errado! As principais propriedades das maçãs, laranjas, peras, etc. não ficam no sumo, como explica o pediatra Mário Cordeiro: «Os frutos, além do sumo, têm polpa e casca. Estes elementos são ricos em fibras vegetais e outros componentes importantes para a regulação intestinal, para saciar a fome e conter os excessos alimentares».
As máquinas espremedoras, cada vez mais avançadas, reduzem a fruta apenas ao seu sumo, deixando de lado a polpa e a casca. No líquido, mantêm-se as vitaminas, a água e a frutose (açúcar), mas perdem-se propriedades essenciais. «Fica um alimento pouco equilibrado», clarifica o pediatra. O seu consumo exagerado pode mesmo ter riscos para a saúde como «o excesso de frutose, a substituição de outras fontes de calorias pelos sumos, além da diminuição do consumo de água», alerta Mário Cordeiro.

Riscos para os dentes
Virgínia Milagre, médica estomatologista e professora de Odontopediatria no Instituto Superior de Ciências da Saúde, reforça que o mais importante a ter em conta é a frequência com que os sumos são ingeridos. «Só bebendo em grandes quantidades, os sumos de fruta podem prejudicar os dentes», esclarece. A médica lembra ainda uma investigação, cujos resultados foram divulgados recentemente na revista JBP (Jornal Brasileiro de Pediatria), em que se avaliaram os sumos de melão, uva, maçã, laranja, abacaxi, maracujá e limão. «Com excepção do sumo de melão, todos os demais sumos apresentaram pH com potencial erosivo dos tecidos dentários», pode ler-se no documento. A erosão é a perda da estrutura dentária por dissolução não-bacteriana do esmalte e dentina através da acção de ácidos. Ou seja, não é cárie, mas é igualmente mau. Os dentes de leite são mais propensos à erosão por apresentarem um esmalte menos duro. Por isso, é preciso cuidado redobrado com as crianças mais pequenas. «O uso frequente de alimentos e bebidas ácidas na dieta suprime o efeito remineralizante da saliva, tornando a superfície dentária menos resistente às forças decorrentes da mastigação ou escovação», adiantam ainda os investigadores.
Para evitar este tipo de lesões dentárias, Virgínia Milagre aconselha o consumo de sumos naturais apenas durante ou depois das refeições. «Porque, habitualmente, a seguir, lavam-se os dentes. É que, meia hora depois da ingestão de qualquer alimento, as bactérias começam a desmineralizar o esmalte».

Sumos naturais de fruta vs sumos comerciais
Apesar de tudo isto, beber um sumo natural de fruta de vez em quando não irá trazer mal ao mundo, e será sempre melhor do que ingerir qualquer refrigerante ou bebida industrializada. Tanto para a saúde do organismo, como para a saúde oral. «O açúcar da fruta é natural - açúcar intrínseco - e, por isso, é menos agressivo para os dentes do que o açúcar refinado ou adicionado - açúcar extrínseco», explica Virgínia Milagre, destacando: «O açúcar das bebidas comerciais, por ser líquido, entra facilmente nos intervalos dos dentes, onde se vai alojar. É, por isso, mais difícil de remover».
Mário Cordeiro acrescenta ainda outros contras aos sumos comerciais: «Os refrigerantes têm uma dose muito exagerada de açúcar, gás e, como são hiperosmóticos, provocam sede dentro de alguns minutos».

A bebida ideal, para todas e quaisquer ocasiões, continua a ser: a água. «O facto de, em Portugal, a água não ser gratuita nos restaurantes e pastelarias, e uma garrafa custar quase tanto como um refrigerante leva a que se ponha tudo no mesmo saco. Nos EUA e em muitos países, a água é grátis», refere Mário Cordeiro. Assim, para quem realmente procura hábitos de alimentação saudáveis, a melhor opção para saciar a sede ou para acompanhar a refeição deverá ser a água. Quanto à fruta, o melhor é comê-la por inteiro.

Recomendações da AAP
Nos EUA, o elevado consumo de sumos de fruta levou a Academia Americana de Pediatria (AAP) a pronunciar-se em relação aos possíveis riscos para a saúde das crianças. Em 2001, a organização emitiu um conjunto de recomendações para os pediatras sobre «o uso e o abuso dos sumos de fruta». No documento, desfazem-se alguns mitos sobre as qualidades salutares dos sumos de fruta:
- A ingestão de sumos de fruta não tem qualquer vantagem adicional em relação à ingestão do fruto completo.
- O sumo de fruta não é apropriado no tratamento de desidratações ou diarreias.
- O consumo excessivo de sumo de fruta pode conduzir a problemas de nutrição.
- O consumo excessivo de sumo de fruta pode causar diarreia, flatulência, dores abdominais e lesões dentárias.
- O sumo de fruta não oferece qualquer benefício nutricional a bebés menores de seis meses.
- Deve evitar-se servir o sumo de fruta às crianças em biberões ou em copos anti-derrame porque facilitam o seu consumo.
- Deve limitar-se a ingestão de sumo de fruta a 170ml, para crianças com idades compreendidas entre 1 e 6 anos, e a 340ml, para crianças até aos 18 anos.



1 comentário:

Alex disse...

Esta agora não sabia... eu sou daquelas pessoas que abusa mesmo de sumos naturais de fruta às refeições, e junto um bocadinho de água por causa da acidez... e agora?