Os Nossos Amigos

segunda-feira, outubro 08, 2007

A doença celíaca - Intolerância ao Gluten



POR QUE TEMEMOS O GLÚTEN?


Chega o momento da primeira papinha, e o pediatra diz aos pais: "Cereais sem glúten, e nada de bolachas ou pão", e os pais, obedientes, evitam que o alimento "maldito" chegue à boca do seu bebé.
Mas não explicam o que é o glúten, nem que dano pode fazer à criança, e os pais pensam por isso que o melhor seria que desaparecesse do mercado rapidamente, o que não é possível.
O que os pais necessitam é de informação.
Na realidade, o que é o glúten?
O glúten é uma proteína que se encontra no trigo, na cevada, no centeio, na aveia e no triticale, e portanto, em todos os alimentos elaborados com estes produtos, como o amido, a farinha, o pão, as massas alimentícias, etc.
Aparentemente é inofensivo, e de facto assim é, se a pessoa que o ingere não tiver qualquer tipo de intolerância face a esta proteína.
Essa intolerância denomina-se doença celíaca, e é muito mais séria do que possa parecer.
Porquê?
Porque para melhorar o estado de saúde, os celíacos devem seguir uma dieta estrita, sem glúten, durante toda a vida. Complicado, sim, mas não impossível.
Como se manifesta a doença celíaca?
A intolerância ao glúten aparece não só nos bebés, mas também nos adultos, numa idade tardia. Os sintomas habituais são a perda de apetite e de peso, diarreia crónica, distensão abdominal, alterações de carácter e retraso do crescimento, no caso das crianças.
No entanto, alguns sintomas podem não aparecer, ou serem atípicos, o que dificulta o diagnóstico.
Se suspeitamos que se possa tratar da intolerância ao glúten, o melhor é acudir urgentemente ao pediatra, ou ao médico de cabeceira, para averiguar se se trata ou não do que pensamos, através de uma biopsia intestinal.
Antes de realizar esta prova não se deve começar uma dieta sem glúten, o que dificultaria o diagnóstico.
Em que consiste a doença celíaca?
Embora pareça difícel de crer, a doença celíaca é o transtorno intestinal crónico mais frequente em Espanha, afectando uma em cada 250 personas, e é geralmente hereditária.
Ao chegar ao intestino delgado o glúten atrofia as velosidades que compõem este orgão, responsáveis pela absorção dos nutrientes e de que estes permaneçam no sangue e se distribuam pelo corpo.
Ao ingerir glúten sem o tolerar, o corpo humano fica sem proteínas, gorduras, vitaminas, hidratos de carbono, sais minerais, etc.
Que tratamento devem seguir os celíacos?
A única maneira de reparar o dano que produz o glúten no intestino é seguir uma dieta estrita livre desta proteína durante toda a vida. O que em princípio parece ser um objectivo inalcansável vai-se conseguindo pouco a pouco.
O primeiro passo seria consultar uma associação de celíacos e pedir informação sobre os alimentos que se podem consumir.
Estas organizações investigam sem cessar todos os produtos existentes no mercado e os novos produtos, com a intenção de proporcionar aos seus membros listas de marcas e produtos que podem consumir, ou o que devem eliminar da sua cesta das compras.

A mãe de uma criança celíaca, além de se manter informada, deve:

* Comunicar aos responsáveis da escola ou do infantário as restrições sobre a dieta do seu filho. Deixar bem claro que esta dieta deve ser seguida escrupulosamente.

* Quando a criança for um pouco mais crescida, explica-lhe de uma maneira simples o que lhe sucede, e porque não pode comer determinadas coisas.

* Dos pais depende que a criança não se sinta marginalizada por comer "diferente": para o seu recreio, ou quando vá a festas, prepara-lhe um saquinho com as guloseimas que pode comer.

* A dieta da criança deve basear-se em alimentos naturais: legumes, carnes, peixes, ovos, leite, açúcar, tubérculos, frutas, verduras, hortaliças e cereais sem glúten: arroz e milho.

*Devem evitar-se, na medida do possível, os alimentos elaborados e/ou embalados, uma vez que nestes é mais difícil garantir a ausência de glúten. A ingestão de pequenas quantidades de glúten, de um modo frequente, pode causar transtornos importantes.

* É importante reparar nas etiquetas de todos os produtos, e em caso de dúvida, descartar o produto.* O facto de que o vosso filho seja celíaco não implica que não possa praticar todas as actividades próprias de uma criança, e ser completamente feliz.

* Uma vez habituados à dieta e às limitações impostas pela condição de celíaco, a doença não tem por que constituir um problema.

Para saber mais:

Federação de Associações Celíacas de España: http://www.celicaos.org/

Página internacional para pessoas celíacas: http://www.celiac.com

Portal de viagens para celíacos: http://www.idsl.net/celiac_travel

In Imaginarium

2 comentários:

Fatima disse...

Bem esta informação é preciosa, porque normalmente a primeira tendencia é oferecer ao bebé bolachas e pão, logo de tenra idade!!!


Beijos Nossos

gaiatA disse...

Normalmente tens uma rica informação, mas esta acho que f0i muito bem esc0lhida :)